Dia 50 – O Voto e a Voz na Sala

Imagem

Números, 30:2 – Quando um homem fizer voto ao Senhor, ou jurar, ligando-se com obrigação, não violará a sua palavra; segundo tudo o que sair da sua boca fará.

 

Na sala escura não há nada. Nem luz, nem cheiro,  nada. Ali ecoa somente a voz que guia o mundo, que reverbera desejos e estampa o que acontece lá de fora.

 

Ali a voz é única,  solitária e ditadora. Não compartilha a responsabilidade de gerir tudo e avaliar a todos. Experimenta, pois, tudo o que vive, pois o vive pela primeira vez. A distância da sabedoria é a mesma da consciência de certo e errado.

 

Até ali não há perdão pois não há pecado. A inconsciência da certeza permite a livre navegação.  As asas da ignorância permitem errar já que não há ciência de tal. Se é livre pois não conhece os limites.

 

Mas está escrito: dentro da sala há outra voz. Doce, suave, respeitadora e principalmente inspiradora.  Quando é permitida a sua revelação, ela invade e ilumina derramando solidez àquela nuvem efêmera da vida.

 

Aqui há a conversão do barro em sopro. Efêmero em sólido.  Insosso em saboroso. As papilas se inundam de saliva ao sabor da consciência e os limites claros permitem diferir bem do mal, bom do ruim, passageiro do eterno.

 

Neste momento se renova a aliança unindo o ínfimo ao universal.  Cria uma simbiose entre o sopro e a fonte comungando num só ser.

 

O voto a Deus somente tem sentido quando a simbiose se completa. Somente naquele estado temos nas mãos as areias do tempo que permitem saber a extensão do voto e seu compromisso com Deus. Antes dela, somos barro carregando a centelha incompreendida na sala escura, onde nenhum dos sentidos opera.

 

Conjurar com Deus depende da profundidade da relação da sala. A iluminação é resultado dessa interação profunda de nossas almas com Ele, e portanto, o voto depende da compreensão da extensão desse compromisso.

 

Àqueles que encontram a Luz é reservada a consciência (humana e imperfeita) da profundidade dos laços dos votos. E por ela é que desvendamos os caminhos da santidade desejada por Deus.  Através da permissão da revelação da voz de Deus na sala tornamo-nos conscientes e , em voto, atingimos a santidade.

 

Pela voz, pela luz, pela consciência,  pelo voto. Únicos e em simbiose com a fonte, que construamos a sabedoria para levar-nos de volta.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s