Dia 26 – A Arte do Homem e a Expressão de Deus

Imagem
Êxodo, 37:29 – Também fez o óleo sagrado da unção, e o incenso aromático, puro, qual obra do perfumista.
Deus definiu os rituais, as vestimentas dos sacerdotes e toda a estrutura de móveis da Tenda da Redenção. E entre todos, recolheu os homens dotados de inteligência e habilidade para que construíssem a arte da adoração a Deus. Entre eles, também os perfumistas para a criação do incenso aromático.
Ele demonstra claramente que a arte, antes de tudo, é uma expressão de sua presença que combina a alma e as mãos, direcionadas pela inteligência. Arte é aquela discreta ação que representa como poética a cena cotidiana. Através dela, representa-se Deus em sua essência e semeia no mundo o sentimento de completude, como daqueles que conhecem a face de Deus.
Seus olhos artísticos, representam não a Deus, mas a essência Dele no caminho do homem. Ao artista é doada a alma poética que descreve ao outro aquilo que é nu aos olhos, mas escondido à alma. Pela arte o artista revela essa sensação escondida, derramando-a integralmente à alma do homem comum. Através dela percebemos que o mundo é além dele mesmo.
Deus deu-nos um mundo, uma vida, um sopro. Aceitar a voz de Deus é tornar a nossa solidão de voz em vaso para reverberar essa presença divina é uma opção que nos é dada. Aos artistas, é reservado o sacro direito de ter essa voz em sua essência e, principalmente, saber revelar a verdade atrás de cada pequeno movimento de nossa vida. O mundo não seria o mundo não fosse a beleza revelada pela arte.
E dentre elas, não há nenhuma superior, nenhuma inferior. Toda arte é a expressão do homem em seus limites com o divino, seja ela integrada ou não à profissão de qualquer fé. A arte está além do artista, já que representa aquele eu que o próprio artista não compreende. Moisés, ao se encontrar por quarenta dias com Deus precisou cobrir seu rosto para poder ter com seus irmãos, sem ele mesmo compreender que seu rosto reverberava a presença de Deus nele. Os artistas são aqueles que, sem a própria intenção, mantém seus olhos erguidos na presença compulsória de Deus em suas almas e que são aceitos pelos irmãos sem cobrir seus rostos com véu. Olhamos, maravilhamo-nos e deixamos a maravilha nos contar nossa vida por uma língua que não compreendemos.
Os artistas, enfim, são aqueles que nos apresentam às nossas vidas para que nos conheçamos além daquilo que nos cerceia no mundo material. Não existe arte moral o amoral, divina ou pagã. Toda arte é humana, e a humanidade pressupõe a essência do sopro. O artista é aquele que reside nas fronteiras do homem e do divino e através de sua linguagem transmite a mensagem do Deus que extrapola os limites do que é real e tangível.
O perfumista cria o incenso. O incenso invade o ambiente e perfuma. Nem o incenso nem o perfume importam. O que importa é a emoção gerada e resgate da alma perdida e recuperada por essa emoção. Essa é a arte que advém do sopro na essência do homem e que é liberta no artista.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s